Especial - Como é medida a audiência da televisão brasileira

Se inscreva na TV Coiote a acompanhe especiais sobre os mais diversos temas!

Uma conhecida anedota popular dizia que três coisas eram impossíveis de serem vistas no mundo real: filhotes de pombo, ganhadores da mega-sena e uma pessoa que tivesse o aparelho do IBOPE em sua casa. Se depender deste vídeo, pelo menos a última delas cairá por terra. 

-A questão estatística

Existe uma razão matemática e comercial para que você não conheça alguém que tenha o aparelho de medição em sua casa. Ou, caso conheça, seja apenas uma pessoa.
Primeiro, vamos à razão comercial: seria economicamente inviável para o IBOPE instalar um aparelho em cada domicílio. Não só pelo preço do equipamento, mas também pela logística de instalação e acompanhamento dos dados gerados.
E por falar em resultados, a segunda razão é estatística. Através de cálculos estatísticos, os profissionais do IBOPE selecionam a menor amostra possível que represente o “todo” naquela cidade, baseados no CENSO mais atual do IBGE.
Assim, um grupo de poucas centenas de pessoas, dada a similaridade de hábitos conhecidas e medidas há anos, pode representar a população de São Paulo, por exemplo. E, por projeção, chegar ao resultado para o Universo.
Tem ainda outro ingrediente: como a relação entre o IBOPE e as famílias corre em sigilo, para evitar contaminação dos dados, as pessoas são instruídas a não revelar que fazem parte do processo.

-O PeopleMeter

Partindo do princípio que a sua casa é uma das que tem o aparelho do IBOPE, chamado peoplemeter, como seria a sua vida? Vamos entender passo a passo.
Após a visita do técnico da instituição, cada televisor de sua casa receberá um aparelho. E, também, cada morador receberá um número. Ao sentar para assistir a um jogo da rodada do Brasileirão, você, utiliza o controle remoto do peoplemeter para sinalizar o seu número de cadastro. E assim fazem todos os outros moradores, mesmo quando estiverem juntos na sala.
Enquanto você está curtindo a programação, o aparelinho trabalha bastante, em grandes cidades (Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte) a audiência é medida minuto a minuto. O aparelho do IBOPE identifica o status da TV (ligado ou desligado). O sinal é enviado via rede de telefonia celular para o IBOPE que contabiliza de acordo com a grade de programação da TV aberta.
A tecnologia do peoplemeter, desenvolvida aqui no Brasil pelo IBOPE já foi até exportada para outros países da américa latina, como Argentina e Chile.

Pontos de audiência
Voltando aos nossos exemplos estatísticos, na grande São Paulo são 750 domicílios com peoplemeters instalados em até 4 TVs por casa. Nesta amostra, 1 ponto de audiência por domicílio representa 60 mil lares sintonizados em determinado canal. Já no caso de audiência específica (aquele número que você apertou ao sentar para ver TV), 1 ponto representa 185 mil pessoas, aproximadamente.
E se estivéssemos falando do Rio de Janeiro, uma praça com menos habitantes, 1 ponto equivaleria a 36 mil domicílios ou 104 mil pessoas, respectivamente.
Uma curiosidade: se você achava que o IBOPE mede a audiência sabendo em que canal você está, errou. Na verdade, o PeopleMeter reconhece o som de sua TV e tenta “encaixá-lo” em alguns dos padrões sonoros que estejam sendo veiculados naquele momento pela TV aberta.